Resenha: Hiroshima Bunker @ Bar do Haules 31/03/2018

O dia foi decorrendo e possibilitando, de maneira perceptível, sentir as 4 estações do ano uma após a outra, realmente uma oscilação que muitos não gostam, mas que me pareceu uma introdução perfeita para o show que viria a noite, pois o som mutável com alterações graduais da Hiroshima Bunker se encaixaria perfeitamente no fim de noite de todos que estariam presentes para acompanhar mais um novo nome da música instrumental brasileira.

Pela primeira vez em 2018 tocando de forma oficial na cidade, fechando a mini-tour que passou pelo Rising Power Estudios (em Santo André), Lobo Estúdio (em Santos) e Golden Line Tattoo (em São Paulo), a banda apresentou ao público os sons do EP intitulado Galáxia de Infinitos, que levou todos realmente a uma viagem sonora digna dos grandes nomes do som instrumental.

Uma leve chuva começou a cair minutos antes do início da apresentação, o que fez pessoas se afastarem do palco, mas logo na primeira música alguns se aproximaram, ainda tímidos, mas confiantes que seria um ótimo show. Aos poucos, todos estavam entrando na temperatura, que não era nada fria como a garoa que caia, mas que ao mesmo tempo nos contemplava com uma lua levemente escondida entre nuvens. Ao todo, uma hora de repertório, que incluiu o single da banda e até um cover da banda Gorillaz, com a canção Clint Eastwood.

04
Foto por: Gabriela Coelho

Toda uma estrutura musical trabalhada com experimentações vindas de diversas fontes, estilos e experiências, a sonância ajudou a construir toda uma atmosfera criada por cada acorde, nota e vibração. Fragmentos que, juntos, se transformam em novas formas de tocar, sentir, transmitir e ver as coisas. Assim também é visto o primeiro single da banda, a faixa Frankenstein, que reverbera essa transcendência ruidosa, barulhenta, mas extremamente cativante e psicodisléptica, que todo bom fã de música instrumental sente a necessidade de ouvir.

Ouça aqui: Hiroshima Bunker – Frankenstein

O grupo formado por Enzo Marco (guitarra), Eduardo Zeineddine (baixo), Gabriel Rego (guitarra) e Fernando Belchior (bateria) foi capaz de transformar o Bar do Haules em um lugar cheio de viagens alucinantes e transcendentes dentro de cada mente, ao ponto de fugir à realidade sensível com um poder inquestionável. Hiroshima Bunker foi mais que uma grata surpresa e com certeza vai estar na minha lista de indicações de bandas instrumentais/psicodélicas daqui para a frente.

Sobre o EP Galáxia de Infinitos (Por Enzo Marco – guitarrista)

01
Capa do EP Galáxia de Infinitos

À frente desse indivíduo — que poderia ser eu, você ou qualquer outro –, há territórios desconhecidos a serem explorados. São inúmeras as dúvidas que nos assombram, ao mesmo tempo, as mesmas dúvidas nos preenchem e se tornam possibilidades. O universo é colossal demais para não nos movimentarmos livremente. Não somos sólidos, mas sim pequenas partículas fragmentadas fluindo e, a qualquer momento, vamos deixar de ser essa massa densa para nos transformarmos em algo novo. É um ciclo sem fim. Somos mutáveis, como ondas sonoras que passeiam pelo universo através de um pedal de delay. Somos frequências que reverberam pelos planetas e invadem todas as dimensões inimagináveis. Estamos imersos em uma galáxia de infinitos.

Onde encontrar a banda:

Facebook; Youtube; Instagram; Spotify.

Resenha por Felipe Andrade.

Um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s